8 das fobias mais assustadoras; apostamos que você tem a Nº 7

0

Quem não tem pavor de algo ou de vivenciar alguma situação assustadora? O medo é normal e, muitas vezes, até saudável, pois sentir medo nos protege. Porém, o sinal de alerta é aceso quando ele se torna exagerado e fora do controle.

Listamos aqui, algumas fobias que são fato na vida de muitas pessoas. Esperamos que você não se identifique com nenhuma delas, mas é provável que sim.

Confira a seguir 8 fobias que assustam muitas pessoas.

  1. Nictofobia

Essa fobia consiste no medo do escuro ou da noite.

O medo do escuro nem sempre diz respeito à própria escuridão; também pode ser um medo de perigos possíveis ou imaginários ocultados pela escuridão. Algum grau de medo do escuro é natural, especialmente como uma fase do desenvolvimento infantil. A maioria dos observadores relata que o medo do escuro raramente aparece antes dos dois anos de idade.Quando o medo da escuridão atinge um grau que é severo o suficiente para ser considerado patológico, às vezes é chamado escotofobia (de σκότος – “escuridão”), ou ligofobia (de λυγή – “crepúsculo”).

  1. Cinofobia

Esse nome significa um medo irracional de cães, muitas vezes também sendo definida como medo mórbido ou aversão a cães.

Algumas pessoas que sofrem com a cinofobia não conseguem nem ver um cachorro que já começam a se sentir nervosas, são capazes até de atravessar a rua para não cruzar com um cachorro no seu caminho. Um dos principais motivos da cinofobia é não confiar em cães em geral, fazendo com que a pessoa ache que qualquer cachorro possa atacá-la ou lhe fazer algum mal.

(Fonte: CachorroGato @ https://www.cachorrogato.com.br/cachorros/cinofobia/)

  1. Acrofobia

Essa fobia consiste em um medo exagerado e irracional de altura.

Normalmente, as pessoas sentem medo em algum nível de locais altos, especialmente quando não há proteção. Contudo, indivíduos que sofrem de acrofobia sentem um medo extremo de locais altos, podendo experimentar ataque de pânico quando expostos a alturas elevadas, ficando excessivamente agitado até encontrar um local no qual se sinta seguro.

Esta forma de fobia pode ser desencadeada por um trauma. Contudo, muitos pesquisadores acreditam que o medo de altura seja, na realidade, um instinto de sobrevivência, pois é observada em bebês e também em outras espécies de mamíferos. No entanto, o termo fobia é reservado apenas àqueles que se apresentam um medo extremo de altura, que foge ao controle do indivíduo.

( Fonte: https://www.infoescola.com/psicologia/acrofobia/)

  1. Necrofobia 

Necrofobia uma fobia específica caracterizada pelo medo irracional de coisas mortas (por exemplo, cadáveres), bem como coisas associadas com a morte (por exemplo, caixão s, sepultura s, funeral s, [cemitérios]). Com todos os tipos de emoções, a obsessão com a morte torna-se evidente tanto no fascínio como na objetificação. Num sentido cultural, a necrofobia também pode ser usada para significar um medo dos mortos por um grupo cultural, por exemplo, a crença de que os espíritos dos mortos voltarão a assombrar os vivos.

O portador da fobia pode senti-la o tempo todo, bem como também experimentar essa sensação quando algo desencadeia o medo, como um encontro próximo com um animal morto ou o funeral de um ente querido ou amigo. A palavra necrofobia é derivada das palavras em grego nekros (cadáver) e phobos (“medo”).

  1. Aicmofobia

Aicmofobia, ou belonofobia, é a fobia em que a pessoa tem medo de agulhas, injeções ou qualquer objeto pontudo. Aicmofobia é formado a partir do radical grego aichmē, ponta, e phobos, medo.

Aich, que foi um eminente estudioso de caracteres de índole psíquica/comportamental, definiu uma reacção fóbica específica nas pessoas que demonstram medo obsessivo por objetos cortantes, metálicos, independentemente de se encontrarem, ou não, em situação de iminente agressão com esse tipo de objetos.

  1. Agorafobia

Essa fobia é uma perturbação caracterizada por sintomas de ansiedade em resposta a situações que a pessoa percepciona como inseguras ou das quais é difícil escapar. Entre estas situações estão espaços abertos, tráfego rodoviário, centros comerciais ou qualquer situação outra em que a pessoa se encontre fora do local de residência. Quando a pessoa se depara com uma destas situações, o sintoma mais comum é um ataque de pânico. Para que seja diagnosticada agorafobia, os sintomas devem-se manifestar praticamente sempre que a pessoa se depara com a situação e os sintomas devem estar presentes durante pelo menos seis meses. As pessoas afetadas geralmente dão-se a um esforço significativo para evitar as situações. Nos casos mais graves, as pessoas sentem-se incapazes de sair da própria residência.

  1. Coulrofobia

É o termo psiquiátrico que é usado para aqueles que têm medo de palhaços. É comum entre crianças, e às vezes também ocorre com adolescentes e adultos. Às vezes o medo é adquirido após experiências traumáticas com um indivíduo singular, ou após ver algum palhaço ameaçador na mídia ou no dia a dia.

  1. Claustrofobia

A claustrofobia é uma fobia, ou seja, um medo exagerado diante de uma situação. Neste caso, é o temor ou repugnância por locais fechados, como elevadores, trens, aviões e outros tantos. Ela também pode estar presente quando o paciente se encontra cercado por uma multidão. Na verdade, a claustrofobia não é uma doença, mas um sintoma, geralmente acompanhado de um distúrbio conhecido como agorafobia – o medo de estar em um lugar público, de onde o indivíduo não pode sair facilmente, caso se sinta mal.