“Passei quatro anos sem compartilhar uma foto que mostra quem realmente sou”

0

Gustavo Freitas, de 20 anos de idade resolveu compartilhar nas redes sociais uma foto que nunca teve coragem de publicar, que mostra quem ele realmente é, sem esconder para a sociedade algo que ele mesmo sentia vergonha de expressar.

(Foto: Reprodução-ArquivoPessoal)

Gustavo é cadeirante e pela primeira vez publicou uma foto utilizando uma cadeira de rodas, e essa imagem foi libertadora em sua vida, pois permitiu que ele deixasse de lado uma vergonha que sentia por conta desta condição.

“Nunca postei foto na cadeira. Muitos nem sabem desse pequeno detalhe. Depois de quase quatro anos, essa vai ser a primeira de muitas fotos. Me privei de muitos momentos legais durante esse tempo” disse ele em seu desabafo.

A publicação viralizou em sua rede social, e o jovem que mora em Manaus logo ficou conhecido na web e virou motivação e exemplo para muitas pessoas.

(Foto: Reprodução-ArquivoPessoal)

Em entrevista ao site BBC News, o jovem diz que tinha uma vida normal aos 16 anos, e trabalhava como jovem aprendiz, quando começou a sentir dores fortíssimas nas costas que o incomodava bastante.

Segundo ele, as dores começaram em uma sexta-feira, e na segunda se tornaram insuportáveis a ponto dele ter que ir a procura de um médico, que diagnosticaram o caso como uma virose.

As dores não paravam, e como ele não suportava tanto sofrimento, e depois de várias idas aos médicos sem nenhum diagnostico preciso, ele começou a sentir dores fortes no lado esquerdo do peito, e não sentiu mais os movimentos de suas pernas.

Até hoje, Gustavo não sabe ao certo o que ocasionou aquela bola de pus em sua coluna, e nenhum médico conseguiu dar um diagnostico preciso do que o levou a ficar naquela cadeira de rodas, mas ele diz que talvez se tivessem descoberto o que estava ocasionando aquela dor o quanto antes, talvez ele não precisaria estar andando em uma cadeira de rodas hoje em dia.

(Foto: Reprodução-ArquivoPessoal)

que se tivessem percebido que a minha dor nas costas era algo mais grave, eu não estaria na cadeira de rodas hoje.

Gustavo acabou ficando tetraparético, e conseguindo mexer apenas os seus braços com dificuldade, tendo que fazer um tratamento com fisioterapia.

Quando se tornou cadeirante, ele ficou com muita vergonha de sua condição e segundo ele chegou a até a ficar 1 ano sem sair de casa tamanho o constrangimento que sentia, e por isso nunca teve coragem de publicar uma foto em suas redes sociais.

Ele começou a sentir na pele o preconceito e a falta de acessibilidade que os cadeirantes tinham e sofriam diante da sociedade, e teve que se mudar com a sua mãe para uma casa, pois morava em um prédio e assim ficava muito difícil a sua locomoção.

Gustavo decidiu dar a volta por cima, e se tornar independente, tentou da melhor maneira possível conviver com o seu problema sem que isso o deixasse mal, e procurou um time de basquete em sua cidade que era feito exclusivamente para pessoas que eram cadeirantes.

(Foto: Reprodução-ArquivoPessoal)

Hoje com 20 anos, Gustavo só agradece a Deus por estar vivo, e diz que quer viver a vida da melhor maneira possível, mesmo com suas condições nada vai impedir que ele busque a sua felicidade e encontre o seu caminho nesse mundo de acordo com todos os propósitos de Deus.

Gustavo esteve recentemente no programa encontro com a Fátima Bernardes e deu uma entrevista completa contando mais detalhes sobre toda sua vida e sua tragetória, e arrancou suspiros dos telespectadores que assistiam o programa pela sua beleza.

(Foto: Reprodução-TvGlobo)

Assista a entrevista em https://globoplay.globo.com/v/8359518/programa/