Mãe do menino que morreu ao cair do prédio com a patroa faz desabafo: “se fosse eu, meu rosto estaria estampado”

0

Renata perdeu seu filho Miguel de apenas 5 anos de idade, quando estava passeando com o cachorro de sua patroa, enquanto ela tomava conta de seu filho e deixou que a criança fugisse e pegasse o elevador para ir ao encontro da mãe, e fosse parar no nono andar, onde ele acabou caindo e perdendo sua vida.

Entenda o caso:

A empregadora da mãe do menor Miguel Otávio Santana de apenas 5 anos de idade, que perdeu sua vida ao cair do 9º andar depois de ser ‘esquecido’ dentro do elevador na região de Recife foi atuada e levada para delegacia por homicídio culposo pois de acordo com as autoridades ela agiu com muita falta de responsabilidade e negligência, mas logo após pagar uma fiança de 20 mil reais, a mesma foi liberada e poderá responder em liberdade.

(Foto: Reprodução)

A mulher, que não teve sua identidade revelada, mas internautas afirmam que ela se chama Sarí, e é esposa de Sergio Hacker, prefeito de Tamandaré, que mesmo com COVID, manteve a mãe do Miguel trabalhando. Essa senhora chegou a ser responsabilizada pelo crime, por estar com a guarda temporária do menino enquanto mantinha a sua mãe trabalhando.

Enquanto a mãe do menino Miguel passeava com os cachorros da patroa dando voltas no condomínio sendo obrigada a trabalhar em plena pandemia, a contratante ficou tomando conta do filho de sua ‘empregada’, que agonizava sentindo falta de sua mãe, e conseguiu fugir do apartamento para o elevador, parando apenas no nono andar, de onde ele caiu de uma altura de mais de 36 metros e perdeu sua vida por conta de uma falta de responsabilidade.

Justiça por Miguel! Milhares de perfis se revoltaram nas redes sociais e pedem justiça pelo Miguel e que essa assassina seja condenada e pague pelo crime que cometeu.

Veja partes do desabafo desta mãe que perdeu o seu filho, em uma entrevista ao portal de notícias da Globo.

“Se fosse eu, meu rosto estaria estampado, como já vi vários casos na televisão. Meu nome estaria estampado e meu rosto estaria em todas as mídias. Mas o dela não pode estar na mídia, não pode ser divulgado. Ela confiava os filhos dela a mim e a minha mãe. No momento em que confiei meu filho a ela, infelizmente ela não teve paciência para cuidar, para tirar [do elevador]. Eu sei, eu não nego para ninguém: meu filho era uma criança um pouco teimosa, queria ser dono de si e tudo mais. Mas assim, é criança. Era criança”, disse Renata em um desabafo.

Veja a entrevista completa da mãe que perdeu o seu filho