Patroa da mãe de menino que morreu ao cair do 9º andar é liberada após pagar fiança. Entenda!

0

A empregadora da mãe do menor Miguel Otávio Santana de apenas 5 anos de idade, que perdeu sua vida ao cair do 9º andar depois de ser ‘esquecido’ dentro do elevador na região de Recife foi atuada e levada para delegacia por homicídio culposo pois de acordo com as autoridades ela agiu com muita falta de responsabilidade e negligência, mas logo após pagar uma fiança de 20 mil reais, a mesma foi liberada e poderá responder em liberdade.

(Foto: Reprodução)

A mulher, que não teve sua identidade revelada, mas internautas afirmam que ela se chama Sarí, e é esposa de Sergio Hacker, prefeito de Tamandaré, que mesmo com COVID, manteve a mãe do Miguel trabalhando. Essa senhora chegou a ser responsabilizada pelo crime, por estar com a guarda temporária do menino enquanto mantinha a sua mãe trabalhando.

Entenda o caso: Enquanto a mãe do menino Miguel passeava com os cachorros da patroa dando voltas no condomínio sendo obrigada a trabalhar em plena pandemia, a contratante ficou tomando conta do filho de sua ‘empregada’, que agonizava sentindo falta de sua mãe, e conseguiu fugir do apartamento para o elevador, parando apenas no nono andar, de onde ele caiu de uma altura de mais de 36 metros e perdeu sua vida por conta de uma falta de responsabilidade. Segundo o delegado que cuida do caso ela é culpada pois agiu com negligência “A responsabilidade legal, naquela circunstância, temporariamente jazeria sobre a empregadora. A criança, filha de sua funcionária, permaneceu na sua unidade sob sua responsabilidade. Ela tinha o poder e dever naquele caso de cuidar daquela criança e impedir, em última análise a ocorrência do trágico resultado que, é bom enfatizar, advém de uma tragédia, uma fatalidade” disse o oficial.

Segundo a acusada, o menino já tinha tentado sair antes e foi impedido por ela, mas conseguiu sair na segunda tentativa onde ele desembarcou no 9 andar do elevador e acabou acontecendo a tragédia “Por meio da oitiva da mãe, da análise mais apurada dos nossos investigadores e da ordem cronológica dos fatos, nós conseguimos observar uma sequência em que a moradora não consegue retirar a criança do elevador, aperta um andar superior a sua unidade e permite que a porta se feche. Quando o elevador para, no nono andar, a criança desembarca. Local  de onde viria a cair fatalmente. Recebemos informações que a criança gritava pela mãe, provavelmente ele a viu na via pública, enquanto caminhava com o cachorro, e lamentavelmente acabou por cair” de acordo com testemunhas, a dona do apartamento estaria em casa na companhia de outra mulher, que seria sua manicure. (tudo isso em plena pandemia)

Internautas se revoltam nas redes sociais e pedem justiça.

O primeiro atendimento à vítima foi feito pela mãe e por um médico que mora no edifício onde aconteceu o acidente, no momento ela ainda estava viva. O SAMU chegou a ser acionado às 13h23, mas quando chegou o menino já estava sendo encaminhado ao Hospital da Restauração, no bairro do Derby, na área central do Recife. Miguel não resistiu e morreu ainda no caminho.