Desembargador recebe multa, rasga e humilha guarda: “Analfabeto!” Vídeo.

0

O desembargador Eduardo Almeida Prado Rocha de Siqueira foi multado por estar sem o devido uso de máscara, de acordo com um decreto municipal que obriga que as pessoas usem máscaras em locais públicos, até mesmo para evitar a transmissão do coronavírus, e para preservar a sua saúde também.

(Foto: Reprodução)

O caso aconteceu no litoral de São Paulo, e o desembargador não gostou nada de ter sido multado, partindo para ofensas, agressões e humilhações pra cima do guarda que aplicou a punição.

O abuso de autoridade é tão grande que alem de ofender ao guarda municipal, que apenas fazia o seu trabalho, o desembargador rasgou a multa na frente dele e tentou intimidar fazendo uma ligação para o secretário de Segurança Pública do município, Sérgio Del Bel, informando o que havia acontecido e tentando colocar medo no guarda ameaçando de que ele fosse perder o seu trabalho.

Segundo informações da prefeitura de Santos, o desembargador se recusou a assinar a multa, e logo após rasgar o papel tentou por várias vezes intimidar o rapaz que apenas fazia o seu trabalho, parece que esse povo não aprende mesmo, né? O caso do “Engenheiro” não adiantou de nada para algumas pessoas tomarem como exemplo de como viver em sociedade.

“Você quer que eu jogue na sua cara? Faz aí, que eu amasso e jogo na sua cara”, disse Eduaro, que em seguida pega o celular e liga para uma autoridade competente “Estou aqui com um analfabeto”, diz o homem, ao telefone. “Eu falei, vou ligar para ele [Del Bel] porque estou andando sem máscara. Eu estou andando nessa faixa da praia e ele está aqui fazendo uma multa. Eu expliquei e eles não conseguem entender” alegou o desembargador ao telefone, como se tivesse razão.

O secretário no qual ele fez a ligação, apoiou a sua equipe e a multa foi devidamente aplicada e o abuso de poder e autoridade não serviu de nada, apenas fez com que ele passasse ainda mais vergonha.

A prefeitura de Santos emitiu uma nota dizendo “Diante da recusa [em usar a máscara], foi lavrada a multa. Trata-se de um caso de reincidência: o mesmo cidadão já foi multado em outra data por cometer a mesma infração”, disseram.

E a prefeitura ainda foi mais longe, disse que o desembargador terá que pagar mais 150 reais de multa por jogar lixo no chão, com base na lei Cidade Sem Lixo, que funciona dentro da cidade também.

Veja na íntegra a nota da prefeitura de Santos a respeito deste caso

Em nota encaminhado ao Metrópoles, “a Prefeitura de Santos informa que, durante força-tarefa realizada nesse sábado (18/7), o munícipe que parece nas imagens foi abordado por não cumprir o Decreto nº 8.944, de 23 de abril de 2020, que determina o uso obrigatório de máscara facial, sob pena de multa no valor de R$ 100.

Uma equipe da Guarda Civil Municipal (GCM) abordou o munícipe pedindo que o mesmo colocasse a máscara. Diante da recusa, foi lavrada a multa. Trata-se de um caso de reincidência: o mesmo cidadão já foi multado em outra data por cometer a mesma infração.

O secretário de Segurança de Santos, Sérgio Del Bel, deu total apoio à equipe que fez a abordagem e a multa foi lavrada na tarde deste sábado (18).

O homem também foi multado em R$ 150 por jogar lixo no chão, de acordo Lei Cidade sem Lixo, que proíbe o lançamento de resíduos de qualquer natureza nas praias, além de passeios, jardins, logradouros, canais e terrenos.

A Prefeitura de Santos é veemente contra qualquer ato de abuso de poder e, por meio do comando da GMC, dá total respaldo ao efetivo que atua na proteção do bem público e dos cidadãos de Santos.

A Administração Municipal também esclarece que a gestão das praias está sob a competência e responsabilidade do Município. De acordo com o artigo 14 da Lei Federal nº 13.240/2015, a Prefeitura de Santos celebrou, em 19/07/17, termo de adesão com a Secretaria de Patrimônio da União (SPU), por meio do qual a União outorgou ao Município a gestão das praias marítimas urbanas, inclusive bens de uso comum com exploração econômica, pelo período de 20 anos”.