Publicidade

“Meu pai é procurador, você vai perder seu emprego”, disse outro cliente a uma fiscal. Vídeo!

Publicidade
Publicidade

Depois da reabertura de bares e restaurantes na cidade do Rio de Janeiro, vários vídeos circularam na internet de aglomerações e deboches feitos pelos clientes, e um deles aconteceu na Barra da Tijuca, onde o pessoal que frequentava gritava: “Eu não vou embora”, enquanto os fiscais faziam seu trabalho pedindo para que se retirassem pois já havia passado do horário de funcionamento dos bares.

(Foto: Reprodução-JornalEXTRA)

Mais um caso triste aconteceu com a assistente de coordenação da vigilância sanitária Jane Loureiro, de 54 anos, que diz ter sido intimidada por um dos frequentadores, mas ela contou que respirou fundo e preferiu manter a calma diante das ameaças que estava sofrendo e também dos xingamentos. No bar que ela estava havia mais de 50 pessoas ao mesmo tempo.

“Fui ameaçada por um que disse que o pai era procurador e que estava vendo meu nome no colete e que ia me demitir: “meu pai é procurador, você vai perder esse seu empreguinho”. Depois, fizeram um coro me xingando. Eu fiquei muito nervosa. Imagina um grupo grande de pessoas te xingando. É constrangedor, triste. Me mantive abalada, mas tranquila” disse ela em desabafo.

Publicidade

No bar que ela estava trabalhando, ela presenciou diversas irregularidades, tais como aglomerações, várias mesas do lado de fora (mais de 50), e muitas, mas muitas pessoas sem o uso de máscaras “Quando os garçons se aproximaram das mesas informando que o bar iria fechar, eles começaram a se revoltar. Aí começou o coro ofensivo a vir para cima da gente, falando que o que fazíamos era errado e tirava o emprego das pessoas. Falei que meu objetivo era garantir a saúde das pessoas e que não era permitido concentração. E ninguém estava de máscara” revelou Jane.

Independente de todos os xingamentos, ameaças e ofensas ela continuou lá, firme e forte fazendo o seu trabalho, e se referiu a atitude como uma forma lamentável a se tratar uma mulher “a maneira qual se tratar uma mulher” contou.

“Acho que o que a população precisa não é esclarecimento, porque está sendo esclarecido o tempo todo (a gravidade da Covid-19). A população precisa acordar. Uma senhora me disse que não achava que a pandemia era isso tudo, porque ela não tinha perdido ninguém. Eu respondi: “que bom que a senhora não perdeu ninguém, mas eu perdi muitos colegas em hospitais” revelou Jane ao jornal EXTRA.

Publicidade

Antes de trabalhar como fiscal, Jane costumava fazer inspeções em consultórios médicos a mais de 12 anos, mas agora com a pandemia, ela foi encarregada de fazer esta nova função, que segundo ela, esta dando mais trabalho do que imaginado.

“Faço um trabalho administrativo interno e também na rua, junto com a equipe. Sempre fui para a rua. Mesmo quando era gerente, às vezes tinha que sair para atender uma demanda mais complexa. Sempre nos desdobramos para manter todo o trabalho de denúncias. Nunca tivemos distinção de quem vai para rua ou não. Conforme a necessidade, a gente organiza o trabalho interno e vai também, não tem uma hierarquia” explicou Jane em seu desabafo.

“A gente não pode se contaminar e entrar nessa energia ruim deles. Não adianta. Essa não é a solução do problema. Eu acho que as pessoas estavam enfurecidas, talvez até indignadas por estarem perdendo pessoas e se sentidos presas. E acho que, como o Flávio (Graça, fiscal) disse, elas saíram ensandecidas. Como se o mundo fosse acabar e eles tinham que aproveitar o que podiam. Não sei o que passou na cabeça deles para serem tão hostís e não quererem respeitar normas essenciais para todos manterem suas vidas, como o uso da máscara.” concluiu.

Publicidade

Veja o vídeo do ataque clicando nesse link

Fonte: Jornal EXTRA.

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade