Flordelis aparece em vídeo ameaçando testemunha sobre casa de swing: “vai ter que me pagar por danos morais”

0

Em um vídeo que foi publicado pela deputada na noite desta quinta-feira (27), mas logo em seguida foi apagado, Flordelis faz ameaças a testemunha que diz ter filmagens da mesma frequentando uma casa de swing, inclusive relatos dizem que a deputada frequentou o local na noite do assassinato do próprio marido.

(Foto: Reprodução)

No vídeo, a pastora aparece aos gritos e diz que vai exigir na justiça as filmagens que provem que ela era realmente frequentadora do local, e ainda diz que vai pedir uma indenização por danos morais caso a pessoa não consiga provar tudo que esta falando:  “Mas eu não fiz, não, lindona. E você vai ter que mostrar a filmagemminha, o meu rosto, a minha voz, euzinha, bem clarinha na filmagem, eu na casa de swing. Tá ok, Carlinha?! Você vai ter que ter uma filmagem. Tá bom, meu amor? Se eu fosse você começava a ir na Barra agora, na casa de swing procurar essa filmagem agora. Porque se você não tiver nenhum videozinho meu… E mais uma coisa, tem que ter um videosinho eu bêbada, trêbada, carregada. Porque se você não tiver, meu amor, você vai ter que me pagar por danos morais. Tem dinheiro, não? Começa a fazer faxina! Tem dinheiro, não? Vende tudo o que você tem na sua casa. Tem dinheiro, não? Vai ter que me pagar por danos morais”, disse a deputada, aos gritos.

Confira o vídeo:

Entenda o caso:

Flordelis é a principal acusada de mandar assassinar o seu ex-marido, o Pastor Anderson, junto com a ajuda de alguns de seus filhos.

A Polícia Civil e o Ministério Público estadual do Rio de Janeiro (MP-RJ) descobriram mensagens de texto em telefones celulares que reforçam a suspeita de que a deputada Flordelis (PSD-RJ) planejou matar o pastor Anderson do Carmo.

Nesta segunda-feira (24), oito pessoas foram presas pelo envolvimento com o crime. Destes, cinco são filhos e uma neta de Flordelis.

(Foto: Reprodução)

Segundo a polícia, foram diversas tentativas de matar o pastor Anderson, uma delas está comprovada em uma mensagem de fevereiro de 2019, quatro meses antes de sua morte. O aparelho nunca foi encontrado. Em uma das mensagens, a deputada escreveu:

Em outra troca de mensagem, de outubro de 2018, Flordelis conversa com o filho André Luiz de Oliveira:

De acordo com as investigações, a deputada prestou auxílio material e moral no crime. Ela teria dado dinheiro para a compra da arma, já que um dos filhos, Flávio dos Santos Rodrigues recebia menos de R$ 2 mil como motorista de aplicativo.