Homem se passava por sugar daddy para abusar e estuprar mulheres no RJ

0

Ontem o Fantástico exibiu uma matéria de um homem se chama Eliezer de Queiroz Moreira e se passava por um milionário sugar daddy e dizia que tinha um primo no Rio de Janeiro, que no caso era ele mesmo e fazia com que as vítimas fossem ao encontro desse suposto primo. O homem é morador de Campo Grande e já aplicou o golpe em cerca de 50 mulheres por mais de 2 anos.

(Foto: Reprodução)

Como acontecia o caso:

O homem se apresentava como um milionário que se chamava Fred Ginotti, dizia ser empresário e ter apartamentos e casas em Miami, mandava vídeos fake para mulheres de apartamentos de luxo e de uma vida falsa que ele não levava, enviava também comprovantes falsos e prometia para as vítimas uma quantia de cerca de 1.000 doláres por semana para que elas pudessem fazer companhia a um primo “carente” que ele tinha no Rio de Janeiro, que no caso era ele mesmo. Ele usava um site se relacionamentos voltado para o assunto chamado “Meu Patrocínio” (que visa mulheres jovens ter relacionamentos com caras mais velhos e serem bancadas). Ele usava imagens de iates, mansões, carrões mas na realidade nada era dele e tudo era usado para enganar as vítimas e atrai-las ao seu encontro.

As vítimas contaram em relato que o suposto ricão fazia com que elas fossem encontrar seu “primo”, que sofria de depressão e precisava de uma companhia: “Eu teria que encontrar o sobrinho dele toda semana para poder fingir ter um relacionamento com ele”, disse uma das vítimas.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

Antes dos encontros, as mulheres recebiam uma foto de comprovantes falsos e uma promessa de que na segunda-feira, depois do encontro, o dinheiro já estaria nas contas delas e segundo investigação todos os encontros eram filmados e as vítimas ameaçadas, inclusive de morte.

O site Meu Patrocínio respondeu em nota e disse que já esta colhendo todas as informações deste usuário na plataforma: “estamos recolhendo todos os dados possíveis relacionados ao investigado para colaborar integralmente com o inquérito policial”.

(Foto: Reprodução)