• Início
  • Viral
  • Barraco no Leblon: três envolvidos em confusão têm passagem na polícia por lesão corporal
Publicidade

Barraco no Leblon: três envolvidos em confusão têm passagem na polícia por lesão corporal

Publicidade
Publicidade

Os três protagonistas da confusão no Leblon que viralizou nas redes sociais já haviam se envolvido em outras agressões. Assim como o motorista do carro conversível, a mulher que desfilava de biquíni no banco de trás e e a arquiteta que arremessou garrafas d’água contra ela figuram como autores de lesões corporais registradas em delegacias do Rio, entre 2014 e o mês passado.

A arquiteta Aline Cristina Araújo Silva

Aline Cristina Araújo Silva, de 37 anos, foi acusada pela ex-sogra, na 14ª DP (Leblon), de segurar seus braços e empurrá-la para que não falasse com a sua neta, que tinha 5 anos, em 15 de julho de 2014. A idosa contou que as agressões começaram, por volta de 10h, quando a arquiteta, “alterada e aos berros”, gritava o nome da criança. Não satisfeita, ela teria ido até sua porta, sem autorização, e com o dedo apontado para seu rosto, e dito: “Me dá a minha filha. Eu disse que essa família não presta”, xingando a ex-sogra em seguida.

Sheila estava no carro na última sexta-feira

Scheila Danielle Gmack Santiago, de 30 anos, que teve a parte de cima do biquini arrancado depois de agredir Aline, que lhe atirou as garrafas, é autora de um registro de ocorrência de lesão corporal e invasão de domicílio. No primeiro, ela foi acusada de bater com socos e pontapés em uma jovem, num quiosque na Praia do Pepê. A desavença teria começado quando a moça foi ao banheiro, em 29 de dezembro do ano passado. No dia 14 do mês passado, um ex-ficante de Scheila a acusou na 16ª DP (Barra da Tijuca) de ter invadido seu apartamento enquanto ele dormia.

Publicidade
Wilton Vacari Filho digiria o carro

Já o engenheiro de produção Wilton Vacari Filho, dono do conversível, aparece como autor de outros dois casos que envolvem agressões. O primeiro, em 27 de novembro de 2013, registrado na 18ª DP (Praça da Bandeira), durante uma briga no Maracanã. O caso ainda está sendo processado no Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos.

O outro, feito na 10ª DP (Botafogo), relata que em 9 de setembro, por volta de 19h, um funcionário de uma empresa de eventos foi agredido pelo engenheiro durante uma confraternização numa embarcação na Marina da Glória. Segundo o registro, Wilton disse que o motivo das agressões foi o fato de o funcionário ter apalpado sua nádegas.

Leia também:

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Publicidade