Mulher doa rim para policial que a colocou na cadeia e salva a sua vida

0

Jocelynn James é uma americana que vivia uma vida conturbada, em meio ao tráfico, drogas, roubos e diversos crimes. Sua vida foi ladeira abaixo entre os anos de 2007 até 2012, onde ela foi presa mais de 16 vezes, e na maioria das vezes o mesmo policial que levava ela pra cadeia, por serem da mesma cidade, Phil Campbell (Alabama, EUA).

(Foto: Reprodução)

O policial Terrell Potter, que era o principal responsável por todas as vezes que ela foi parar na cadeia, nunca imaginou que a sua vida também viraria de pernas pro ar e que a luz no fim do túnel fosse justamente a mulher que ele tanto aprisionou.

“Eu estava vivendo uma vida muito ruim, fazendo um monte de coisas realmente ruins que eu não deveria ter nenhum direito de fazer, e eu era uma pessoa realmente perdida”, confessou Jocelynn, de acordo com a revista Fox5NY.

Mas ela conseguiu dar a volta por cima, e agora em novembro ela comemora 8 anos totalmente limpa, longe das drogas e de qualquer atividade ilícita: “Eu estava cansada daquela vida, queria fazer algo diferente”, afirmou a mulher.

Ela até agradece ao policial, pois segundo ela foi graças as prisões que ela teve vários livramentos, pois se não fosse por isso, talvez ela estivesse até morta uma hora dessas.

O policial acabou descobrindo que seus rins estavam em falência total, e só funcionavam cerca de 5% em toda sua capacidade, e seu caso era muito crítico e ele precisava urgente de um transplante: “Começamos a rezar por um rim certo pra mim”, disse o policial emocionado, que hoje é aposentado.

Jocelyyn ficou sabendo por pessoas aleatórias sobre o caso do policial, e resolveu agir e mostrar algo que acabou surpreendendo toda a cidade, pois ninguém imaginaria tal atitude: “O espírito santo me disse que eu tinha o rim dele”, comentou ela, quando foi indagada por qual motivo ela estaria fazendo isso.

(Foto: Reprodução)

Depois de vários e vários testes, finalmente foi aprovada a compatibilidade entre os dois, e ela foi autorizada a fazer a doação.

“Se você me pedisse uma lista com cem nomes de quem pudesse me doar um rim, o nome dela não estaria nela”, falou o policial, chorando. “Era inacreditável que ela estivesse fazendo aquilo por mim”, disse ele.

No dia 21 de julho ele finalmente recebeu o rim da mulher que ele havia prendido tantas vezes, e pode respirar aliviado por ter mais esperança em sua vida.

“O rim começou a trabalhar assim que foi posto no meu corpo”, disse o policial feliz da vida, e que hoje mantém uma relação com a mulher como se fosse sua filha, tamanha gratidão e carinho por sua atitude.