Polícia Civil apura denúncia contra Claudia Raia por postagem no Instagram

0

Após denúncia, a Polícia Civil de São Paulo instaurou inquérito para apurar as acusações contra a atriz Claudia Raia por suposto exercício ilegal da profissão de educadora física.

De acordo com o UOL, o Conselho Federal de Educação Física (Confef) acionou a polícia acusando Raia de publicar vídeo nas redes sociais coordenando aulas com exercícios físicos. A atriz afirmou em depoimento que teve acompanhamento de seu personal trainer.

Cláudia Raia

À Polícia Civil, o Conselho Federal de Educação Física diz que Claudia Raia promoveu sessão de educação física “sem possuir conhecimento científico ou capacitação técnica para tanto”.

A prática pode se caracterizar em Exercício Ilegal da Profissão, artigo 47 da Lei das Contravenções Penais (exercer profissão ou atividade econômica ou anunciar que a exerce, sem preencher as condições a que por lei está subordinado o seu exercício).

O vídeo de 6 minutos divulgado na página de Claudia Raia no Instagram em 24 de março já conta com mais de 1 milhão de visualizações. Raia pratica atividades físicas com o marido Jarbas Homem de Mello em seu apartamento.

Em agosto, Claudia Raia se posicionou na 2ª Delegacia de Polícia da Divisão de Investigações sobre Infrações contra a Saúde Pública.

Ela relatou para a delegada Beatriz Hernandez que os exercícios físicos foram elaborados pelo seu personal trainer Marcos Prado, formado em Educação Física.

Segundo a atriz, o personal coordenou e acompanhou todo o treinamento no apartamento, e que, portanto, “em momento algum esteve desassistida por profissional regularmente habilitado na área de saúde”.

Claudia Raia sobre casamento com Alexandre Frota: 'Uma loucura' | OFuxico

Ainda de acordo com Raia, a ideia de gravar o vídeo surgiu após diversos pedidos de seguidores como uma forma de motivá-los no começo da quarentena, em março. A atriz informou que “em momento algum objetivou auferir lucros financeiros com a divulgação do vídeo em questão”, mas, sim, “incentivar a atividade física e uma vida mais saudável”.

O Ministério Público se manifestou no sentido de que o caso seja remetido ao Juizado Especial Criminal, que julga infrações com menor potencial ofensivo (cuja pena máxima seja menor que dois anos).

No dia 6 de novembro, a juíza Gabriela Marques Bertoli acolheu requerimento do MP e determinou a remessa para o Juizado Especial Criminal.