Publicidade

BBB21: Pai do participante Lucas passa a noite em hospital

Publicidade
Publicidade

Lucas tem sido alvo de muitas polêmicas aqui fora, suas atitudes dentro do programa foram reprovadas por muita gente, mas as atitudes dos brothers quanto ao perdão e ao cancelamento que estão fazendo com ele lá dentro estão sendo muito mais criticadas aqui fora do que as próprias atitudes que o Lucas teve na festa africana, afinal, os participantes que estão cancelando o brother foram os mesmos que pediram para que não acontecesse o “cancelamento” de ninguém em seus discursos de apresentação, quanta ironia, ops, hipocrisia.

Lucas foi isolado por diversas vezes dentro da casa, principalmente pela participante Karol Conká, que em diversas atitudes deixou o brother constrangido e acusado, ela ainda bateu no peito para dizer que o humilhou propositalmente e não se arrependia de ter feito isso pois se pudesse já teria partido até para agressão física.

Na tarde de ontem Lucas foi expulso da mesa do almoço e como todo mundo já sabe, o Brasil ficou extremamente revoltado com o que estão fazendo com ele, agora você imagina o coração de um pai e de uma mãe? No twitter, Nayra Souza comentou que o pai do ator chegou até a passar mal e ir para no hospital “Dona Andrea me ligou. Ela é mãe do Lucas. As pessoas na internet não têm noção do impacto que podem causar. O pai do Lucas passou a noite no hospital, e ela tá achando que é culpada, porque o sonho dele é dar o teto dela. Estou enviando a ela as mensagens de carinho!”, publicou ela em seu twitter.

Publicidade

“Fiquei sem dormir pensando no Lucas. Conheço ele, a luta dele. Ontem ofereci o meu trabalho e da minha equipe de assessoria pra mãe dele. Preto não larga a mão de preto, e o que for possível eu vou fazer sim. Cancelamento é coisa de fascista”, disse também a ativista Preta Ferreira, em sua conta no twitter.

Lucas tem sofrido diversos ataques e ninguém aqui esta dizendo que ele tem razão, mas que as pessoas deviam ter um pouco mais de empatia e aprender a perdoar o erro dos outros, a conversar, a ensinar o amadurecimento sem precisar maltratar. Não era isso que estávamos dispostos a pregar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Publicidade

Publicidade