Douglas Silva defende Arthur Aguiar: “Não queria estar na pele dele”

Sem entender os motivos pelos quais Arthur Aguiar continua sendo atacado após…
Publicidade
Publicidade

Sem entender os motivos pelos quais Arthur Aguiar continua sendo atacado após o fim do BBB 22, Douglas Silva, também finalista do reality show, saiu em defesa do campeão. 

Em entrevista ao jornalista Leo Dias, do Metrópoles, o ator disse que torce pelo sucesso de todos seus ex-colegas de confinamento e afirmou que há espaço para que todos possam colher frutos aqui fora. 

De acordo com DG, é dever dos participantes do ‘Big Brother’ incentivarem seus fãs a não atacarem os ex-BBBs. 

Publicidade

++ Maria Zilda Bethlem revela que teve ‘má sorte’ de trabalhar com Arthur Aguiar

“Eu não entendo. Tem que torcer pra todo mundo se dar bem. Saiu tem que ficar feliz, o sol tá brilhando pra todo mundo. Eu torço pra todo mundo fazer sucesso. Peço para a minha torcida fazer isso”, falou durante a entrevista.

Douglas Silva defende Arthur Aguiar
Douglas Silva defende Arthur Aguiar

O ator ainda revelou que, embora quisesse ter sido campeão, não gostaria de estar na pele de Arthur Aguiar. “Eu não queria estar na pele dele. É muito atacado. O preço é alto demais”, afirmou.

Publicidade

Durante o bate-papo, DG não revelou quais são os ex-colegas de confinamento com quem ele quer continuar mantendo contato aqui fora. “Não sei contar”, disse.

Confira a entrevista de Douglas Silva na íntegra:

SEM OPORTUNIDADES?

Pedro Scooby reclamou sobre a falta de trabalhos que Douglas Silva enfrenta, após participação no BBB 22. O surfista disse que o amigo não está recebendo a atenção que realmente merece, em entrevista ao podcast Podpah, na última quarta-feira (18).

Scooby exaltou o talento de Douglas e suas participações em grandes produções nacionais. “O cara fez um dos melhores filmes da história do Brasil, o ‘Cidade de Deus’. Fez ‘Cidade dos Homens’. Cadê o lugar do DG?”, disse ele no programa ao vivo.

Publicidade

O ex-BBB ainda argumentou que DG deveria ter um “tapete vermelho em qualquer lugar que chegasse no Brasil”, mas esse não é o caso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Publicidade